Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]






O domingo de Páscoa é fértil em manifestações culturais de cariz religioso e uma das mais belas realiza-se em São Brás de Alportel, a secular Procissão de Aleluia, em honra de Cristo ressuscitado, onde os andores são substituídos por tochas floridas, empunhadas por duas filas de homens. Em pleno coração da Serra do Caldeirão, esta tradição pretende também recordar os moços solteiros que repeliram as tropas inglesas, comandadas pelo Duque de Essex, que em Julho de 1596 tinham saqueado a cidade de Faro e seu arredores.


A história das «Tochas Floridas» remonta aos primeiros anos do século XVII, época em que os algarvios começaram a realizar a Procissão de Aleluia, na manhã do Domingo de Páscoa, com um forte frenesim religioso. Nessa altura, as confrarias, constituídas unicamente por homens, eram obrigadas a levar uma tocha acesa ou luminária e opas vestidas. Com o passar dos anos, a escassez de cera levou à sua substituição por paus pintados e ornamentados com flores, no cimo do qual se colocava, então, uma pequena vela. Uma característica que se manteve, contudo, foi a de apenas os homens erguerem as tochas na frente da procissão, isto porque as irmandades, onde estavam as mulheres, seguiam atrás. As confrarias viriam a desaparecer mais tarde, mas a procissão das «Tochas Floridas» manteve-se, com outra alteração de fundo: os hinos, responsos e o Aleluia em honra da Ressurreição do Senhor deixaram de ser entoados por coros e passaram a ser proferidos unicamente pelo povo, devido à falta de clero e de cantores.
Em S. Brás de Alportel, porém, há quem conte outra história. Segundo reza a história, a 25 de Julho de 1596 deu-se a invasão da cidade de Faro e seus arredores pelas tropas do Duque de Essex, isto após ter infligido uma penosa derrota à esquadra de Filipe II, na Baía de Cádis. Depois de saquearem e incendiarem toda a cidade, os britânicos tiveram conhecimento de que a povoação de São Brás era rica e importante e para lá marcharam, tendo apanhado os seus habitantes completamente desprevenidos. As tropas não ficaram, todavia, completamente satisfeitas com os roubos e mortes que provocaram e decidiram lançar fogo à igreja, o que foi a gota de água para alguns rapazes solteiros que, munidos de machados rústicos, chucos alfaias agrícolas, conseguiram pôr os invasores em fuga. Depois, enfeitaram as armas improvisadas com flores para comemorar e assim pode ter nascido esta festa, embora tal careça de confirmação oficial.
Seja como for, séculos depois, tudo começa a ser preparado com semanas de antecedência nesta vila da Serra do Caldeirão, até porque há que «montar» um tapete de flores de um quilómetro de extensão a assinalar o percurso da procissão. Assim, para se construir esta verdadeira obra de arte, são necessárias várias toneladas de flores, num trabalho que envolve largas dezenas de voluntários. Finalmente, e depois da apanha e preparação das flores, é na véspera do Domingo de Páscoa que este tapete florido é estendido pela noite dentro.
O resultado de todo este esforço é verdadeiramente deslumbrante, com as principais artérias da vila embelezadas por milhares de flores campestres e a própria Igreja Matriz de S. Brás de Alportel está especialmente decorada para a ocasião. A missa começa à hora marcada e com lotação esgotada. No exterior, juntam-se cada vez mais turistas estrangeiros, uns novos, outros mais idosos, muitos casais com os filhos pequenos, todos munidos de máquinas fotográficas e câmaras de vídeo para recolher imagens cuja reputação já ultrapassou vastamente as fronteiras deste concelho. Aqui e ali vislumbram-se jovens e cidadãos mais seniores, vestindo fato e gravata e carregando arranjos florais nas mãos, outros com tochas mais elaboradas, verdadeiras obras de arte, para participar no concurso promovido pela organização.

Texto e fotografia: Daniel Pina

Leia a reportagem completa em http://issuu.com/danielpina1975/docs/algarve_informativo_002_new

publicado às 17:19


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D