Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





A Sala do Atlético, em Loulé, foi palco, no dia 8 de abril, da apresentação do livro «Tendências contemporâneas da gestão desportiva», uma edição de Marco Arraya e Manuel N’Gila, que reúne a colaboração de 20 autores ligados a diversas áreas ligadas à gestão das organizações desportivas em Portugal. José Manuel Meirim, um dos mais conceituados juristas na área do Direito Desportivo, António Varela, editor e diretor adjunto do jornal Record, Dulce Lebre, responsável na Federação Internacional de Ginástica pela realização de grandes eventos mundiais, Jorge Araújo, antigo treinador de basquetebol, selecionador nacional, várias vezes campeão nacional e especialista em liderança, Fernando Sousa, docente do INUAF, especialista na área da mudança com publicações internacionais e Francisco Pinto, especialista em execução da estratégia nas organizações desportivas, são alguns dos autores da obra.
O livro divide-se em quatro partes distintas - «Potenciar o capital humano da ‘coisa’ desportiva», «Preparar a ‘coisa’ desportiva», «Comunicar a ‘coisa’ desportiva» e «Realizar a “coisa” desportiva» – e aborda temáticas como as funções e as competências do dirigente/gestor, pensar e intervir como um treinador, gestão do marketing da ‘coisa’ desportiva, gestão da comunicação social, gestão de eventos desportivos ou a gestão das instalações desportivas. Esta obra multidisciplinar contém artigos transversais às organizações desportivas e, segundo os editores presentes neste lançamento em Loulé, conta com colaborações de âmbito diversificado, “uns mais académicos, outros mais práticos, mas todos eles de grande relevo e de grande aplicabilidade naquilo que é o dia-a-dia na gestão das organizações desportivas em Portugal”.
Durante esta apresentação, Hugo Nunes, vice-presidente da Câmara Municipal de Loulé, responsável pelo pelouro do Desporto, fez a ponte da temática da obra com aquele que é o mais importante projeto desportivo em curso nesta Autarquia - a Candidatura de Loulé a Cidade Europeia do Desporto em 2015 – e descreveu a “riqueza do Concelho” como a principal motivação para esta candidatura: 55 coletividades, mais de 40 modalidades, 241 equipamentos (quase 140 públicos), 50 mil utentes dos equipamentos públicos por mês e 8000 praticantes registados nas várias atividades desportivas. “Olho para este fenómeno que está por detrás destes números com a ligação às pessoas. A dedicação de dirigentes, atletas, e de um conjunto de pessoas que foram dirigentes e atletas, a dedicação de um conjunto de pessoas que já não estão cá fez com que convivam aqui muitas realidades”, afirmou o vice-presidente.
Hugo Nunes disse que a candidatura a Cidade Europeia do Desporto será “uma montra mas também o reconhecimento do valor do trabalho das pessoas que fazem o desporto em Loulé hoje, fizeram ontem e farão amanhã”. Por outro lado, este será um momento decisivo para que muitas associações possam “dar o salto e tornarem-se não só atletas, técnicos ou dirigentes de excelência naquilo que é a componente desportivas mas também noutras dimensões”.

publicado às 12:52



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D