Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]






Foi aprovada em Reunião de Câmara a conclusão do procedimento da Ponte Romana da Tôr como Imóvel de Interesse Municipal. Recorde-se que, com a entrada em vigor da nova legislação, a resolução dos processos respeitantes a classificações como de «Valor Concelhio» iniciados anteriormente passou a ser uma incumbência municipal e alterada a designação do seu valor como «Imóveis de Interesse Municipal». Como tal, em maio de 2010, o Ministério da Cultura remeteu o processo à Câmara de Loulé para concluir os procedimentos e a sua situação de tramitação.
Segundo os responsáveis da Autarquia louletana, a classificação da Ponte da Tôr como Imóvel de Interesse Municipal é de grande importância para preservar o futuro da memória coletiva e do desenvolvimento territorial, bem como para a valorização de um conjunto de imóveis culturalmente relevantes que correspondem às obras públicas antigas. A Ponte da Tôr é uma ponte romana sobre a Ribeira de Algibre, com uma largura, ao centro, de 3,47m, formada por cinco arcos, o último reconstruído no período medieval. Trata-se, eventualmente, de uma interessante memória das ligações existentes entre o interior da serra algarvia e as povoações recolhidas da costa, eventualmente até como elemento essencial da rede viária que ligava estas aos husun islâmico (o caso de Salir).
Situada num ambiente pitoresco, de grande riqueza paisagística, a Ponte Romana da Tôr é um monumento a preservar e não escapa às objetivas dos visitantes que se deslocam para o interior do Concelho à descoberta do nosso património, da nossa história, das nossas tradições e da nossa cultura do Barrocal e da Serra. A Ponte sobre a ribeira, assim como todo o espaço envolvente, constitui um forte motivo de atração para quem deseja descobrir a parte rural do Concelho de Loulé, designadamente a zona do Barrocal, que hoje serve de complemento ao turismo do litoral.
A sua construção data da Baixa Idade Média, com técnicas construtivas inspiradas nas romanas, e a primeira referência conhecida consta de uma anotação na ata da sessão de 25 de abril de 1410 da vereação de Loulé. Originária do período romano, tais como as pontes dos Álamos e do Barão, a Ponte da Tôr tem sido estudada por investigadores que se têm debruçado sobre a presença romana no Concelho e sobre a conservação do nosso património histórico, dando assim um inegável contributo para a compreensão da história do local. No entanto, existe uma discussão dos arqueólogos em torno da origem desta ponte já que, tal como é citado por Susana Carrusca em «Loulé, o Património Artístico», segundo Jorge Alarcão, professor catedrático da Universidade de Coimbra e especialista da época romana, “embora tradicionalmente tida como obra da fase islâmica ou mesmo quinhentista, apresenta dois arcos de típica construção romana”.
Esta ponte apresenta várias siglas medievais no arranque dos pilares e ostenta nas aduelas, que fecham o arco norte, dois escudos com armas régias portuguesas com os escudetes laterais deitados. O tabuleiro da ponte assenta sobre muros de suporte característicos das pontes romanas, mas os muros desta ponte têm uma dimensão maior, talvez porque esta ponte estivesse sujeita a grandes cheias, como parece ser o caso.

publicado às 13:55



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D