Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]







O Município de Lagos homenageou quatro cidadãos perpetuando os seus nomes na toponímia da cidade, com o descerramento das placas a acontecer no dia 1 de novembro, numa cerimónia realizada no âmbito das comemorações do Dia do Município. A homenagem resultou de uma proposta de atribuição de denominações toponímicas para a Freguesia de Santa Maria (zona da Atalaia) que a Comissão Municipal de Toponímia deliberou, por unanimidade, na reunião de 29 de maio de 2008, apresentar à Câmara Municipal de Lagos, tendo a mesma merecido a aprovação unânime do órgão executivo em reunião realizada a 18 de junho de 2008.
Estava então em causa não apenas a identificação de novos arruamentos numa zona de expansão urbana da cidade de Lagos, de cariz residencial e turístico, nas proximidades de um prestigiado campo de golfe, como a oportunidade de, uma vez mais, se prestar homenagem através da toponímia de Lagos a personalidades que a seu tempo se destacaram nos mais variados domínios de atividade humana, da cultura ao mundo empresarial, recordando a sua vida e obra, e fazendo perdurar, nas gerações atuais e futuras, pedaços de uma memória coletiva que dá conteúdo à identidade de um povo e dos lugares. Foram quatro as denominações então aprovadas, sendo estas placas as que foram descerradas, na presença daqueles que mais de perto privaram com as personalidades homenageadas (familiares e pessoas dos seus círculos de amizade): Rua Emmanuel da Costa Correia (Historiador); Rua João Braz (Poeta); Rua António Diogo Bravo (Industrial) e Rua António Aleixo (Poeta).
Na ocasião, a Presidente da Câmara Municipal de Lagos, Maria Joaquina Matos, recordou que a autarquia sempre valorizou muito a área da toponímia e frisou que todos os nomes consagrados nas placas do município contribuíram para uma sociedade melhor. Já a Vereadora com o pelouro da Cultura e da Toponímia, Maria Fernanda Afonso, lembrou que “a História é feita pelos povos e, no limite, pelo conjunto de histórias singulares dos indivíduos em sociedade”. “Faz todo o sentido registar sistematicamente as personalidades, os casos mais marcantes, começando por descobri-las nas designações das ruas, dando vida a quem fez história e reforçando e reconstruindo memórias e identidades locais”, reforçou.

publicado às 13:55



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D