Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Sala Polivalente da Alcaidaria do Castelo, em Loulé, vai ser palco de mais um «Laboratório da Memória», no dia 27 de março, pelas 18h, desta feita dedicado ao Desporto em Loulé. Pretende-se, desta forma, abordar o passado e futuro da vida associativa desportiva e cultural de Loulé, com a presença de alguns elementos que fizeram e fazem parte de várias coletividades que formam o movimento associativo local, mas também com o testemunho vivo do público.
Os momentos que fazem parte da história do desporto louletano e que não ficaram inscritos nas páginas dos livros serão recordados neste «Laboratório da Memória», que terá como convidados João Simões («Guanito»), Professor Gentil, Sérgio de Sousa, José Quadros, José Faustino, José Francisco e Joaquim Viegas. Esta é mais uma iniciativa integrada no «Loulé Cidade Europeia do Desporto».

publicado às 13:25

Este sábado, 21 de março, pelas 21h, o Pólo Museológico Cândido Guerreiro e Condes de Alte, em Alte, recebe a apresentação do livro de poesia «Sentires de Uma Alma», de Imouhar, num ambiente intimista de inspiração para uma Noite de Poesia, Música e Dança. Este livro de poesia editado pela Arandis Editora tem nota de apresentação de Vieira Calado, ilustrações de António Brigas, Beatriz Mourinho, Filomena Gonçalves e Maysi Vásquez Rubio.
Imouhar nasceu e vive no Al-Garbh mas desde muito jovem sentiu o apelo por viajar, conhecer o mundo, contactar culturas diferentes, um dia aconteceu Marrocos, nascendo um amor que o faz voltar todos os anos a este país. O autor define-se da seguinte forma: "Sou filho do vento que corre livre pelas areias do deserto. Escrevo longe das prisões gramaticais. Escrevo todo o sentir que carrego na alma, e na alma vai a liberdade de uma alma perfumada de saudade". É bastante eclético, não se prende a conceitos nem a definições, sendo seu estilo simples onde há uma certa nostalgia associada há alegria de viver.
Em alguns poemas a figura feminina surge envolta numa brisa amorosa e de paixão, outros trazem-nos a condição humana e a busca pelo transcendente. A sua poesia é lírica, fala-nos diretamente, despertando emoções, na medida em que os versos são estímulos que nos provocam estados de alma. A fotografia para Imouhar é mais uma das muitas formas que encontra de guardar a beleza na magia da imagem. A exposição «Fotografias Faladas» acontece na sequência natural da ligação que o autor sente, entre a vida que acontece ao seu redor e a poesia que lhe vai na alma, com quem faz alquimia com os SENTIRES.

publicado às 13:14

A Orquestra Clássica do Sul junta-se à all’Opera - Companhia de Ópera Itinerante para apresentar «Rita», ópera de Gaetano Donizetti, no dia 27 de março, no Auditório Municipal de Lagoa e, no dia 28 de março, no Cineteatro Louletano em Loulé, ambos às 21h30. A produção apresenta Sara Braga Simões (soprano) no papel de «Rita», Mário Alves (tenor) como «Beppe» e Job Tomé (barítono) interpreta «Gasparo», com encenação por António Durães e direção musical por Rui Pinheiro, Maestro Titular da Orquestra Clássica do Sul, realçando-se ainda a experiência e arte de Ángel González como pianista acompanhador.
Esta união surge com o objetivo de democratizar e dinamizar o espetáculo de ópera em Portugal, levando produções a novos públicos e a locais tradicionalmente não associados a este tipo de evento, a qual a OCS integrou no seu ciclo de programação «Ópera ou Dramma per Musica», que propõe uma viagem por este mundo fascinante em versões semiencenadas de óperas de pequena dimensão e espetáculos incluindo árias e cenas de ópera. A all’Opera - Companhia de Ópera Itinerante estreou-se em agosto de 2014 e é composta por um grupo de cantores líricos com provas dadas internacionalmente no campo da ópera e reconhecidos como grandes valores do atual panorama nacional da música clássica.

publicado às 13:24

O Auditório Municipal de Olhão celebra, no dia 21 de março, o seu 6.º aniversário e a festa começa, às 20h30, com um Porto de Honra no foyer do edifício, seguindo-se a inauguração de uma exposição de escultura de Paulo Duarte Filipe. A noite termina em beleza com a atuação da fadista Cuca Roseta.
Em Olhão, Cuca Roseta, que sonhava ser psicóloga mas descobriu o fado aos 18 anos, apresenta o seu segundo trabalho, «Raiz», com letras e músicas de sua autoria. Nesta noite especial, irá acontecer mais uma vez o sortilégio que Cuca Roseta faz viver no que canta e no que sente: uma alma que se dá e que nessa partilha consegue despertar a nossa própria alma.
Antes de Cuca subir ao palco, às 21h, é inaugurada a exposição de Paulo Duarte Filipe intitulada «Quo Vadis Avis Rari», onde o artista apresenta várias instalações escultóricas. O artista viveu em Angola desde os primeiros meses de vida até aos 13 anos, rumando posteriormente com os seus pais a Faro, cidade onde acabou por se fixar e onde vive atualmente. África, no entanto, marca uma presença efetiva e afetiva nas suas obras, não só de escultura mas também de pintura e desenho, entre outros interesses como o cinema.
Paulo Duarte Filipe tem exposto com frequência em Portugal e no estrangeiro, sendo o Algarve uma região onde a sua arte é sempre muito acarinhada. A mostra da autoria de Paulo Duarte Filipe ficará patente no AMO até final do mês de abril.

publicado às 17:49

QUATRO encheu Casa do Sal em Castro Marim

por Daniel Pina, em 16.03.15
Foi uma plateia interessada aquela que assistiu à apresentação do livro «Quatro», a última obra de Ana Amorim Dias, na passada sexta-feira, dia 13 de março, na Casa do Sal em Castro Marim. O romance narra a história improvável de amizades inesperadas em torno das relações humanas e de um passado que teima em persistir, cujo denominador comum é o número «Quatro», «Uma acompanhante. Uma assassina. Um herdeiro. Um viúvo».  
Apaixonada pelo ser humano, pela intensidade e por emocionantes vivências, Ana Amorim Dias faz da escrita um prazer que diariamente partilha na busca constante de despertar nos outros aquilo que mais ambiciona para si: emoções. Escritora, advogada e empresária, conta já com cinco romances, entre eles «Histórias do «(A)Mar» e «Zoia» e a biografia «Olho Ubíquo, A vida de Eric Lobo». É ainda de sublinhar o facto de já ter escrito mais de um milhar de crónicas publicadas em jornais, revistas e plataformas digitais.

publicado às 17:37

A Casa da Cultura de Loulé, com a colaboração da Câmara Municipal de Loulé, vai realizar a XXVI Mostra Coletiva de Artes Plásticas do Concelho de Loulé, patente ao público de 27 de março a 2 de maio, no CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Parque Municipal. Esta Mostra pretende continuar a juntar artistas de várias gerações, independentemente dos seus percursos artísticos ou formativos, estimulando a criação artística e promovendo o contacto direto entre os artistas.
Os interessados em participar nesta iniciativa poderão apresentar os seus trabalhos de pinturas e/ou esculturas, sendo que as mesmas não poderão ter sido expostas em mostras anteriores. Cada artista poderá apresentar, no máximo, dois trabalhos. No caso do número de trabalhos exceder a capacidade da sala, a organização pode decidir apresentar apenas uma obra por artista.
A entrega dos trabalhos deverá ser efetuada obrigatoriamente na Casa da Cultura (Parque Municipal de Loulé), entre os dias 16 e 20 de março, das 11h às 13h e das 17h às 19h. Só será permitida a participação na Mostra de artistas nascidos ou residentes no Concelho de Loulé.

publicado às 11:24

No âmbito do ciclo «Passeios na história de Tavira» realiza-se, no dia 21 de março, pelas 10h30, o passeio pela Ermida de São Sebastião, sob a orientação do historiador de arte Daniel Santana. De origem medieval, este templo está associado ao culto do santo mártir, tido como advogado contra as epidemias e os contágios.
Reconstruída no século XVIII, guarda desse período as feições e um surpreendente programa artístico, tipicamente barroco, no qual participaram destacados artistas regionais. A atividade tem como finalidade dar a conhecer o passado da cidade, a paisagem urbana, os monumentos e as personagens históricas, bem como sensibilizar para a necessidade de proteger e valorizar a herança patrimonial. 

publicado às 11:18

A 21 de março, Dia Mundial da Poesia, e no âmbito das Comemorações dos oito séculos da Língua Portuguesa, o Cine-Teatro Louletano apresenta «Chico em Pessoa», com a artista brasileira Valéria Carvalho. Trata-se de um espetáculo que, aliando a música à poesia, coloca Chico Buarque e Fernando Pessoa de braço dado.
O que diriam sobre os seus personagens se algum dia se pudessem encontrar? Um espetáculo ousado e irreverente. Valéria Carvalho corajosamente dá vida às muitas mulheres de Chico Buarque, num universo real e suburbano. A adúltera, a dona de casa, a viúva, até às mulheres «da vida», todas desvendadas por Fernando Pessoa que pontua e dá consciência a estes personagens ricos e controversos.

publicado às 11:12

Ala dos Namorados mostra o seu «Lado B»

por Daniel Pina, em 13.03.15
O projeto Ala dos Namorados estará no concelho de Silves, nos dias 8 e 9 de abril, para participar no formato «Lado B», promovido pelo Município de Silves através da sua Biblioteca Municipal. No dia 8, Nuno Guerreiro e Manuel Paulo participam numa conversa à volta de livros, músicas e filmes que marcaram as suas vidas. Será também uma oportunidade para conhecer melhor este incontornável e prestigiado projeto da música portuguesa, que conta com mais de 20 anos de carreira e que lançou em finais de 2014 um novo álbum intitulado «Felicidade». Já no dia 9, pelas 21h30, a Ala dos Namorados apresenta-se em concerto intimista, em trio, no auditório Francisco Vargas Mogo (edifício do Crédito Agrícola), em S. Bartolomeu de Messines.
O «Lado B» é um formato que explora diferentes facetas de um mesmo convidado, pretendendo fomentar práticas regulares de programação cultural em rede (PCR+) no seio de vários equipamentos da autarquia e também em articulação com o meio associativo local e com as freguesias. Esta estratégia visa explorar e potenciar as especificidades e complementaridades existentes entre os vários espaços culturais da cidade/concelho através da apresentação de diferentes formatos que envolvam intervenientes comuns, isto na área das artes performativas e de outros universos culturais afins. Pelo «Lado B» já passaram, desde fevereiro de 2014, conceituados músicos como João Afonso, António Manuel Ribeiro, Jorge Palma, Pedro Jóia, Ricardo Ribeiro, Sérgio Godinho, Luís Represas, Custódio Castelo, Rita Redshoes, Rita Guerra e Miguel Araújo. 

publicado às 11:18

O Centro Cultural António Aleixo, em Vila Real de Santo António, assinala o Dia Mundial do Teatro, no dia 27 de março, com a apresentação da revista à portuguesa «P’ró Diabo kus Carregue». O espetáculo é composto por um elenco de Luxo bem querido do público e leva a palco nomes como Natalina José, Vítor Emanuel, Paulo Oliveira, Ana Paula Mota e Filipa Giovanni.
Esta hilariante revista conta ainda com a atuação musical do fadista convidado António Pinto Basto e integra um conjunto de rábulas de carácter crítico e humorístico, escritas por conceituados autores e compositores nacionais, intercaladas por temas bem conhecidos da música portuguesa. A peça é uma produção exclusiva da C2E e conta já com grandes êxitos a nível nacional e internacional desde a sua estreia.

publicado às 11:12

No mês em que se assinala o Dia Mundial do Teatro, o Cineteatro São Brás prepara-se para receber o espetáculo «E porque não emigras?», uma comédia musical com Carlos Areia, Patrícia Candoso e Marta Fernandes, já no próximo sábado, dia 14, pelas 21h30. O conhecido ator Carlos Areia apresenta um divertido teatro de revista para o qual conseguiu convencer as atrizes e cantoras Patrícia Candoso e Marta Fernandes. Pelo caminho surge Paulo Patrício, que continua a sonhar ser um ator de sucesso, e ainda Rosa Soares, para garantir que o espetáculo vai ser de arromba.
O Cineteatro São Brás prepara-se para uma noite repleta de humor, peripécias e contratempos, onde cinco personagens têm 110 minutos para encontrar uma solução para os seus problemas e evitar o derradeiro recurso, que tem sido a opção de muitos portugueses: emigrar. Um hilariante espetáculo que satiriza um país a tentar sair de uma crise económica através da excelente interpretação de um conjunto de talentosos atores que simulam uma crise nas artes de palco.

publicado às 13:28

«Guia de Remédios Naturais para Mulheres» é o nome do livro a apresentar, no próximo domingo, 15 de março, pelas 16h, na Biblioteca Municipal de Vila do Bispo. Da autoria de Sofia Loureiro, este livro é um guia completo de remédios naturais para mulheres, pleno de recomendações e informação útil, que vai ajudá-la a cuidar melhor de si de forma (mais) natural.
Com mais de meia-centena de queixas de saúde femininas, e recomendações de um vasto leque de terapias naturais para cada uma delas, este é um guia abrangente e detalhado. Para melhor tomar a saúde nas suas mãos, conta ainda com uma introdução às terapias naturais, informações para implementar um estilo de vida saudável, entender o seu sistema hormonal e fertilidade e organizar um estojo natural. No capítulo final, a partilha de outras mulheres proporciona ferramentas adicionais de desenvolvimento pessoal.
Residente no concelho de Vila do Bispo, Sofia Loureiro é licenciada em Biotecnologia, Doutorada em Química do Ambiente, Terapeuta Natural e Escritora. Foi nestas terapias que encontrou uma ponte entre o microcosmos humano da biologia e o macrocosmos ambiental da ecologia. Os vários anos dedicados à investigação científica e a publicação de artigos, juntamente com os conhecimentos adquiridos ao longo da sua formação em diversas disciplinas de Terapias Naturais (Naturopatia, Homeopatia, Auriculo-acupunctura, …) concorreram para o rigor essencial à redação desta obra abrangente e detalhada.
A sua dedicação ativa às terapias naturais manifesta-se através de artigos de divulgação e da participação em palestras e workshops. O seu trabalho expõe ainda uma devoção às questões ambientais. Trata-se de mais uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Vila do Bispo no âmbito da Feira do Livro, ação a desenvolver de 14 a 27 de março. 

publicado às 13:17

Tendo em vista comemorar o Dia Mundial da Poesia, 21 de março, a Câmara Municipal de Castro Marim promove «Chá com Letras», um evento de dinamização cultural da Casa do Sal, pelas 16h, com a apresentação do livro «Apontamentos da Margem». Trata-se de uma coletânea de textos poéticos de mais de duas dezenas de autores da margem portuguesa do Guadiana, com edição da Crecida, de Ayamonte, e cuja apresentação estará a cargo dos vários poetas que participam no livro.
Nesta sessão comemorativa do Dia Mundial da Poesia e da chegada da primavera, os «Poetas do Guadiana» vão dinamizar a exposição «My Fukushima», patente ao público na Casa do Sal, com a leitura da poesia do poeta japonês Taro Aizu. O evento prossegue pela tarde fora com a participação do Grupo Coral da Universidade do Algarve, que irá interpretar músicas tradicionais portuguesas e músicas do mundo. A encerrar o «Chá com Letras», e para celebrar o pôr-do-sol, realiza-se uma Festa Sunset, no espaço exterior da Casa do Sal, com a música do DJ Perro Andaluz.

publicado às 12:39

Nos dias 20 e 21 de março, no Teatro Cardenio em Ayamonte (às 20h30, hora local espanhola) e no Cineteatro em São Brás de Alportel (às 19h), respetivamente, a Orquestra Clássica do Sul celebra a chegada da primavera com um programa de música francesa, com a direção do maestro convidado Christopher Bochmann.
A música francesa merece um lugar de destaque na produção erudita pelo seu estilo sempre elegante e refinado e, como tal, a OCS dedica um ciclo da sua programação a esta produção musical e às principais figuras que a marcaram. O programa destes concertos apresenta, assim, a abertura da ópera cómica «O Califa de Bagdade» de François-Adrien Boieldieu, datada de 1800, e a «Sinfonia n.º1 em Sol Menor», uma obra notável de Étienne Nicolas Méhul considerada um marco na história da sinfonia francesa.
A «Suite de Personagens (dos Prelúdios para Piano)» de Debussy, orquestrada por Christopher Bochamnn, completam o reportório a apresentar. Esta última trata-se de uma seleção de várias peças dos Prelúdios, em cujos títulos figuram personagens ou grupos de personagens, e dos quais se construiu uma suite coesa tanto em termos de equilíbrio de caráter e de andamentos, como em termos de percurso tonal. Christopher Bochmann é doutorado em composição pela Universidade de Oxford, tendo-se fixado em Portugal desde 1980, na área do ensino da música. Desde 2006 é Professor Catedrático Convidado da Universidade de Évora, onde também é Diretor da Escola de Artes.  

publicado às 12:35

O Auditório Municipal de Albufeira foi palco, no dia 7 de março, de um desfile de talentosos artistas, com dezenas de crianças e jovens exibiram as suas performances nas várias modalidades. Na vertente dos 6 aos 11 anos, a Academia de Dança «Fuete», de Albufeira, e a Companhia de Dança «Idade do Ouro», de Vila Real de Santo António, conseguiram o apuramento para a final. O dueto Mikalya Natzkaya e Varvara Shilov, de Faro e Loulé, também se destacou entre os melhores nesta vertente com a interpretação de temas ao piano. Ao violino chegaram as farenses Sofia Knyazeva e Annael Natzkaya, que passaram a primeira eliminatória.
A vertente juvenil, dos 12 aos 17 anos, também apurou cinco concorrentes em diferentes modalidades. Luís Miguel Mira, de Lagoa, arrebatou o júri com a sua atuação ao acordeão, juntamente com Jessica Guerreiro, de Albufeira, que também passou à final com o seu acordeão. A Academia de Dança «Fuete» e a Companhia de Dança «Idade do Ouro» voltaram a apurar-se com mais uma performance, enquanto a Associação Soul, de Albufeira, também se destacou na área da Dança. A próxima eliminatória vai realizar-se no sábado, 14 de março, às 16h, no Auditório Municipal de Albufeira.



publicado às 11:25

Cinema regressa a Vila Real de Santo António

por Daniel Pina, em 10.03.15
O cinema regressa a Vila Real de Santo António, com um ciclo de quatro sessões que trará as melhores fitas nacionais e internacionais. A iniciativa tem início já esta sexta, dia 13 de março, e prolonga-se até junho, com a projeção de uma película por mês.
Os filmes serão emitidos às 2ªs sextas-feiras do mês, às 21h30, na sala do Glória Futebol Clube, e respondem ao compromisso da autarquia vila-realense que, no verão passado, por ocasião do ciclo «Cinema Português em Movimento», se comprometeu a retomar a projeção de películas em VRSA. A primeira sessão traz o premiado documentário «Alentejo, Alentejo», de Sérgio Tréfaut, película que presta homenagem ao Cante Alentejano, classificado pela Unesco como Património Imaterial da Humanidade. Já a 10 abril, o filme é o thriller de ficção científica «Debaixo da pele», de Jonathan Glazer, que conta com a interpretação de Scarlett Johansson.
No dia 8 de maio, a sessão é reservada ao drama «Mamã», de Xavier Dolan, nomeado para a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes, em 2014, tendo recebido o prémio do Júri. A última película será projetada a 12 de junho e traz à tela «O pequeno Quinquin», de Bruno Dumont, uma comédia vencedora de vários prémios internacionais, tendo atingido a Seleção Oficial do Festival Internacional de Cinema de Toronto, em 2014.

publicado às 18:15

Decorreu, no dia 6 de março, a inauguração da exposição internacional «Minha Fukushima» na Casa do Sal, em Castro Marim. A cerimónia foi pautada por diversos momentos artísticos proporcionados por artistas locais que, em simultâneo, inauguraram o novo projeto da autarquia castromarinense, «Artistas de Cá», um convite aos criativos do território para exporem a sua obra na Casa do Sal. Integrada nas iniciativas Eurocidade do Guadiana, a exposição «Minha Fukushima» estará patente nos três municípios - Castro Marim (Casa do Sal), Ayamonte e Vila Real de Santo António (Centro Cultural António Aleixo) - até ao dia 5 de abril. São cerca de uma centena de artistas de todo o mundo, inspirados na obra do poeta japonês Taro Aizu, onde é narrada a tragédia humana e ambiental do acidente nuclear, que abalou a costa leste do Japão em 2011.
A cerimónia inaugural contou com as presenças do presidente e da vice-presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, Francisco Amaral e Filomena Sintra, do presidente da Peace and Art Society (PAS), Paulo Duarte Filipe, e da diretora regional de Cultura, Alexandra Gonçalves, que realçou a ótima adesão dos artistas castromarinenses à iniciativa, “a maior adesão, entre a Eurocidade, de artistas locais”. A música marcou a abertura da exposição, com Bruno Correia no saxofone, João Pereira e alguns alunos no acordeão e Ana Dacosta e José João com uma performance de canto e didgeridoo. Coreografia e poesia, também de «Artistas de Cá», nomeadamente Pedro Tavares e o grupo Teatroteca da Escola E.B. 2,3 de Castro Marim balizaram as restantes intervenções artísticas.
Os primeiros «Artistas de C» a expor na Casa do Sal são então Carla Mourão, pintora e ilustradora, já com três livros editados, Abel Justo, estudante da Universidade de Belas Artes Complutense de Madrid, Elias Gato, licenciado em Pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa e mestre em Ensino de Artes Visuais, pelo Instituto de Educação da UL, trabalha atualmente no âmbito da pintura e da ilustração infantil, e Carlos Correia, formado em Agronomia, Arquitetura Paisagista e escultor. Integrada também no evento esteve a exposição das ilustrações do livro «Selva Molhada – pequenas histórias de um imenso Mar», da autoria de José Guedes, com profusas ilustrações da artista plástica Carla Mourão, ambos professores do Agrupamento de Escolas de Castro Marim.
Com o objetivo de sensibilizar e envolver a população e os visitantes, em Castro Marim, «My Fukushima» contempla uma área interativa com «Origamis da Natureza» (árvore seca para ir preenchendo com origamis construídos e/ou pintados pelo público) e «O Nosso Quadro Fukushima» (com pinturas feitas pelo público). A fechar a inauguração da megaexposição esteve o DJ Gustavo Vera, com uma seleção musical de sonoridades, desde Lounge, Chill, Jazz, Deep e Souful House, que acompanhou a elegância e ambiente do conceito. 

publicado às 18:11

O segundo sábado de março, dia 14, traz mais uma vez a iniciativa «Famílias no Museu», que decorrerá na Alcaidaria do Castelo. Desta vez, pretende-se promover uma oficina para pais e filhos inspirada na cerâmica de época islâmica, em mais uma atividade inserida no 20.º aniversário do Museu Municipal de Loulé.
O artista plástico e oleiro Ricardo Lopes irá coordenar esta iniciativa onde os participantes irão perceber que técnicas eram utilizadas durante esse período e irão igualmente experimentar fazer uma peça para levar para casa. A atividade, dirigida a crianças entre os 7 e os 12 anos, acompanhadas por um adulto, decorre das 14h às 17h.

publicado às 20:19

Sob o mote d’«Os Santos Lendários», temática dos Concertos Promenade 2015, a Orquestra Clássica do Sul (OCS) apresenta em março a lenda de Santo António, frade franciscano que dispensa apresentações. As sessões alusivas a este tema acontecem no dia 15 de março, em Faro, no Teatro das Figuras (às 12h) e no Auditório Municipal de Lagoa (às 16h30), e no dia 22 de março, na Arena d’Évora (às 17h), dirigidas pelo Maestro Titular da Orquestra Clássica do Sul, Rui Pinheiro, e apresentadas por Susana Paixão.
Nesta história, miúdos e graúdos poderão conhecer o percurso de Santo António e as suas lições de vida, com muitas emoções à mistura. Esta, tal como as restantes narrações que compõem este ciclo, são musicadas especialmente para este efeito por John Avery, maestro assistente da OCS. O programa inclui, como sempre, uma variedade de peças musicais que completam esta agradável experiência de domingo em família.

publicado às 13:36

Rom Rom e Fofoca em Olhão

por Daniel Pina, em 07.03.15
O próximo espetáculo infantil chega ao Auditório Municipal de Olhão já na tarde de 28 de março e, a partir das 16h, os mais novos podem divertir-se com «As Aventuras de Rom Rom e Fofoca». É a história de umas férias maravilhosas na Antártida que se transformam numa grande aventura, onde não faltam vilões, heróis da banda desenhada, um cão chamado Rom Rom e a Fofoca, uma foca simpática em perigo.
Com texto de Fernando Guerreiro, este espetáculo do Grupo de Animação e Teatro Espelho Mágico (GATEM) faz um apelo à consciência ecológica e muito especialmente ao respeito por todos os seres vivos do nosso planeta. Numa homenagem póstuma a Fernando Guerreiro, ator e co-fundador do GATEM, a reposição desta peça infantil estreada em 2003 conta com músicas de António Carlos Coimbra, letras de Luís Filipe Estrela e caraterização de Carolina Macedo. A encenação do espetáculo está a cargo de Miguel Assis.
Em palco, para transmitirem boa disposição às crianças e seus pais e/ou acompanhantes, estarão Tiago Muleta, Cláudio Pinela, Céu Campos, Luís Candeias, Isabel Ganilho, Luís Filipe Estrela e Miguel Assis, com coreografia de Iolanda Rodrigues.

publicado às 13:32

Ela era a bailarina, ele o músico, e como o destino tem destas coisas, nas palavras de Pedro Pinto, o músico, “ela cometeu a loucura de se apaixonar por mim, e eu cometi a loucura de me apaixonar por ela”. E assim foi, durante quatro anos de felicidade, amor e dedicação um pelo outro, até ao dia 10 de fevereiro de 2014.
Carolina Tendon faleceu durante o sono, sem ninguém esperar. Sabendo do seu gosto pela escrita e tendo ele próprio lido os textos da sua namorada, Pedro decidiu que a melhor maneira de a lembrar seria cumprir um dos sonhos da jovem Carolina. Editar e publicar um livro, sendo “uma forma digna e especial de a homenagear”. E foi assim que nasceu «De Mim para Mim», uma coletânea de textos, escritos entre os 10 e os 22 anos de Carolina. Cada página virada é uma nova fase ou experiência de vida da autora e, nas palavras da sua irmã Susana, onde podemos “apreciar a evolução da escrita e uma personalidade extraordinária”. O livro avança de acordo com a idade de Carolina e expõe as suas experiências, as suas alegrias, desilusões, os seus amores, as suas questões existenciais, o quão agradecida estava por ter tido a oportunidade de nascer e viver, e segundo a mesma, este livro “serve para inspirar a vida – a vossa”.
No dia 5 de março, na Biblioteca Municipal de Olhão, Pedro contou toda a história por trás do livro. Sempre com um sorriso no rosto a cada nova história, fase da vida, ou experiência de Carolina ao longo da sua curta mas preenchida vida. A música esteve sempre presente no relacionamento de ambos – Pedro é o mentor do grupo Reflect – e, como tal, deveria estar também nesta apresentação. Assim, quem assistiu teve a oportunidade de escutar os temas «Muros» e «Vi Morrer um Verso», interpretados pelo próprio Pedro, e ainda o texto «Foi Chuva», para o qual Napoleão Mira criou uma melodia e interpretou.
Pedro, entre outros, fez questão de agradecer ao Inemvet de Olhão, local onde Carolina – natural do barlavento algarvio, tal como Pedro – viria estagiar, como finalista do curso de Medicina Veterinária. O estágio, que começaria no final do verão de 2014, nunca aconteceu e a jovem não teve a oportunidade de começar a trabalhar com os animais de que tanto gostava. Apaixonada pelos animais, pela dança e pela escrita, Carolina Tendon morreu vítima de embolia pulmonar há um ano. Pedro Pinto ea família da jovem viram no lançamento deste livro uma forma de homenagear a sua alegria de viver e de estar com os outros. Pedro, por sua vez, fez da apresentação deste livro «De Mim para Mim» uma das suas missões no último ano, percorrendo o País de lés a lés, sempre com grande adesão por parte do público.

publicado às 13:27

CENÁRIOS voltam a Loulé

por Daniel Pina, em 06.03.15
Oito companhias de teatro e dez peças levam o melhor do teatro a Loulé entre os dias 7 de março e 26 de abril. O CENÁRIOS – X Mostra de Teatro de Loulé é uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Loulé que pretende promover o teatro junto de vários públicos e, simultaneamente, incentivar os grupos de teatro do Concelho a prosseguirem o seu trabalho, através da atribuição de uma Bolsa de Apoio ao Teatro.
Este ano participam na Mostra a Associação Artística Satori, Teatro Análise de Loulé, Teatro da Estrada, Arte de Viver – Universidade Sénior e Ao Luar Teatro, em representação das companhias do Concelho, e os grupos profissionais A Barraca, Água Ardente Produções Teatrais e Companhia Caótica. Os espetáculos têm lugar em vários espaços das freguesias do Concelho e no Cine-Teatro Louletano.
O evento arranca já este sábado, com a peça «Modus Vivendis», pela Associação Artística Satori, que sobe ao palco do Centro Comunitário de Benafim, pelas 16h. À noite, pelas 21h30, é a vez do Cine-Teatro Louletano receber o espetáculo «Funcionário Público», apresentado pelo Teatro Análise de Loulé. Nas freguesias, a entrada para os espetáculos é livre, enquanto, no Cine-Teatro, os preços variam de acordo com o espetáculo.

publicado às 13:42

De 14 de março a 4 de abril, vai estar patente ao público, na Galeria de Arte da Praça do Mar, em Quarteira, a Exposição de Fotografia «Magic Moments» (Momentos mágicos na Natureza no Algarve, na Costa Vicentina e no Alentejo), de Viola Catarina. Viola Rex-Noelke nasceu em Peine, Alemanha. Vive em Portugal, no Algarve, desde os anos 80. Fez várias viagens de fotografia com o foto designer Günter Franz, Bremen. Estudou pintura com Monika Zistl, Tutzing e Fernando Grade e realizou diversas exposições, quer na Alemanha, quer em Portugal.
Desde muito jovem a sua paixão é a fotografia e, com a câmara, mostra a sua visão dos momentos. Na exploração destes momentos, sabe que irá descobrir algo de especial, sempre o momento e se, por vezes, a rapidez é importante, outras, pelo contrário, a artista sente-se em meditação. Portugal tem uma natureza de rara beleza que apaixona a autora, são esses momentos de contacto com a beleza que vem captando em Portugal que agora exibe nestes Momentos Mágicos.

publicado às 13:34

A Biblioteca Municipal de Silves acolhe, de 6 a 31 de março, uma exposição de renda de bilros de Nel Hoogvliet-Alblas, integrada na nova rúbrica «Talentos que nos visitam». Dar a conhecer e partilhar os talentos de artistas anónimos e desconhecidos que visitam o nosso país, e têm a cidade de Silves no coração, para que os mesmos vejam reconhecido o seu trabalho são alguns dos objetivos desta iniciativa.
Nel Hoogvliet-Alblas nasceu em 30 de abril de 1951, em Hardinxveld-Giessendam, Holanda. Faz renda de bilros há mais de 25 anos e os seus trabalhados, tão diversificados, contemplam adereços e peças de vestuário de senhora, artigos para decoração do lar e até mesmo uma casa de bonecas. Descobriu Portugal e, desde então, volta todos os Invernos na companhia do seu marido.
Em 2014, teve oportunidade de conhecer a Biblioteca Municipal de Silves, que visitou propositadamente para poder ver a exposição de lavores em renda de bilros das talentosas artistas da Loja Social da Casa do Povo de Alcantarilha. Apresentar em Portugal – país que tanto ama - o prazer e o saber que põe na realização das suas peças, aprender mais e divulgar o seu trabalho patente nesta exposição, são motivos de grande alegria no seu percurso.

publicado às 13:30

É inaugurada, no próximo dia 16 de março, às 16h, no átrio da Biblioteca Municipal de Olhão, uma exposição sobre a vida e obra do poeta Manuel Madeira, que irá contar com a presença do próprio. A iniciativa visa não só o reconhecimento pela sua obra literária, mas também homenagear um homem que lutou de forma continuada e determinada contra o fascismo, daí estar igualmente calendarizado para o dia 19, às 17h, uma sessão de homenagem no espaço polivalente da Biblioteca, com a presença de Natércia Madeira, filha do autor e também de Teodomiro Neto e Idalécio Soares, entre outros convidados. Ainda durante o mês de março, e porque se comemora a 21 o Dia Mundial da Poesia, está prevista a leitura de poemas do autor no dia 17, às 15h, no habitual espaço do Clube de Leitura da Biblioteca.
Manuel Madeira nasceu em Messines, em agosto de 1924, tendo ficado órfão de pai muito novo. Viveu em Faro e Olhão a sua juventude, tendo partido aos 25 anos rumo à capital portuguesa onde se fixou durante mais de 40 anos para trabalhar, escrever e lutar contra a ditadura. Em 1991, já reformado, voltou a Olhão, onde reside. Ao longo da sua vida colaborou com poesia e ensaios em publicações clandestinas de divulgação cultural e foi co-fundador do jornal de Olhão «Clamor». Muitos dos seus trabalhos literários foram cortados pela Censura.
O autor tem poemas publicados na Antologia Portuguesa do Pós-Guerra, está representado na Antologia 100 Anos – Frederico Garcia Lorca, e participou na homenagem «Neruda 100 Anos Depois» e tem vários livros editados, com particular destaque para a compilação de poemas escritos entre 1949 e 2004: «No Encalço do Real Inalcançável». O seu último livro foi publicado em 2013 e chama-se «Universo Aberto com Trancas à Porta».

publicado às 13:23

Em Albufeira, o dia 8 de março vai ser inteiramente dedicado ao acordeão, o instrumento musical mais típico da região, com a realização da XXIV Grande Gala Internacional do Acordeão, que de 6 a 15 de março vai percorrer diversas localidades algarvias. Assim, a partir das 21h, subirão ao palco do Auditório Municipal de Albufeira os melhores intérpretes a nível nacional e internacional.
A Gala vai contar com as atuações dos Campeões Mundiais da modalidade Pietro Adragna e Julien Gonzalez, que vêm de Itália e França, respetivamente. Os restantes artistas são os portugueses Silvino Campos, Rodrigo Maurício, Jorge Alves, Inídio Gonçalves, Bruno Gomes e Francisco Sabóia, este último responsável pela organização do evento, onde se pode ouvir também a guitarra portuguesa a cargo de Raimundo Seixas. No dia 14, pelas 15h, a Gala vai passar por Paderne, freguesia do interior do Concelho, onde existe um espaço inteiramente dedicado ao acordeão.
A Casa do Acordeão, única a nível nacional, tem um espólio que já ultrapassa as duas mil peças, da coleção de Francisco Sabóia. Está aberta ao público desde agosto de 2011, dando a conhecer a quem a visita a história deste magnífico instrumento musical.

publicado às 21:08

A Câmara Municipal de Silves (CMS), através do seu sector de Cultura, lança neste mês de março mais um ciclo temático +Cultura, a dinamizar em Silves. O novo ciclo intitula-se «Os filhos da terra também têm nome» e a primeira sessão acontece já no dia 13 de março, pelas 21h, no Teatro Mascarenhas Gregório, tendo como convidados o treinador Rui Bento, o empresário e gestor Vítor Cabrita Neto, a atriz Mariana Mestre e o músico Pedro Pinto. Ao longo da sessão haverá diversos apontamentos musicais a cargo da intérprete Verónica Monteiro (residente na cidade), em duo com um pianista convidado. O debate será moderado por Carlos Rocha, responsável técnico e programador do Teatro Mascarenhas Gregório.
O formato deste ciclo consiste, assim, em tertúlias informais em palco, em que os convidados dão a conhecer o reconhecido percurso trilhado nas suas áreas profissionais (apontando desafios, dificuldades, soluções), os seus projetos atuais e as suas visões sobre a realidade local/regional/nacional, sendo as conversas animadas por momentos musicais e/ou performativos. Com este novo ciclo +Cultura (que incluirá mais duas sessões, com outros convidados, a ocorrer nos meses de junho e novembro deste ano), o Município de Silves pretende promover, valorizar e reconhecer diversas figuras, naturais do concelho, que se têm vindo a evidenciar em diferentes áreas do conhecimento, das artes e criatividade, e da prática desportiva, dando a conhecer à população do concelho os seus exemplos de mérito. Além disso, os ciclos temáticos +Cultura, a decorrer no Teatro Mascarenhas Gregório ao longo de 2015, visam contribuir para a consolidação de uma grelha de programação diferenciada, consistente e coerente para aquele relevante equipamento cultural da cidade de Silves.

publicado às 13:22

Ruivinho Brazão apresenta livro em Loulé

por Daniel Pina, em 05.03.15
No âmbito da iniciativa «Livros Abertos», vai ter lugar na Biblioteca Municipal Sophia de Mello Breyner Andresen, em Loulé, a 19 de março, pelas 21h, uma sessão com Ruivinho Brazão, durante a qual será feita a apresentação do seu livro «Estão Vivas as Linquintinas Tradicionais em Portugal – Palavra, prazer e jogo na boca do nosso povo». A apresentação do escritor vai estar a cargo do docente da Universidade do Algarve, Pedro Ferré.
Esta obra enquadra-se na ação de pesquisa do Património Imaterial que tem sido levada a efeito pela APEOralidade na região do Algarve. Com 224 páginas, contém mais de 1100 lengalengas e trava-línguas: aos dados recolhidos em Paderne (partes I e II) juntam-se, não sem alguma visão contrastiva, enunciados de outras comunidades, como as de Albufeira e Loulé (Parte III). A ilustração do livro teve a orientação de Joana Lessa, no âmbito da Unidade Curricular «Design de Comunicação III» e resulta da colaboração do Curso de Design de Comunicação da Escola Superior de Educação e Comunicação da Universidade do Algarve com a APEOralidade, iniciativa a que se associou a FNAC Algarve que premiou o aluno em destaque na ilustração da obra.
José Ruivinho Brazão é licenciado em Filologia Clássica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Mestre em Literatura Portuguesa (especialidade Literatura Portuguesa Medieval), tem realizado investigação no domínio da literatura tradicional oral popular desde a década de 60, na região do Algarve. Nesta área, tem tido a oportunidade de entrar em contacto com poetas populares algarvios: os repentistas. Publicou, em 1977, «Em Cima do Mar», do poeta pescador Manuel de Brito Pardal, de Quarteira, e, em 1990, «Sonhos de Emigrante», de Clementino Domingos Baeta, de Almancil. «Meus Versos Quem os Entende», de Martinho Rita Bexiga, foi publicado em 1993. É autor, em coautoria, de «Os Provérbios Estão Vivos em Portugal» (2004) e «Cancioneiro Tradicional Português» (2008).
Desde janeiro de 2003 é presidente da Associação de Pesquisa e Estudo da Oralidade. Investiu ainda na criação do grupo de poesia e cantares As Moças Nagragadas – que veio a integrar-se na Associação de Pesquisa e Estudo da Oralidade e que emerge do esforço de pesquisa, integrando seis mulheres de entre as melhores informantes da oralidade e três homens que as acompanham ao som de banjo, viola e acordeão: o Grupo inclui o típico emigrante brasileiro e veste ao jeito dos anos 30.

publicado às 13:10

A Galeria da Biblioteca Municipal de Olhão vai acolher uma exposição coletiva de pintura e escultura, a inaugurar no próximo sábado, dia 7 de março, pelas 17h, da autoria de Marisa Patrício, Martins Leal e Henrique Silva. A mostra decorre até ao dia 4 de abril.
Os olhanenses Marisa Patrício, de 35 anos, e Martins Leal, de 69 anos, são os autores das pinturas patentes nesta exposição. Martins Leal, formado pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, que frequentou de 1965 a 1968, é responsável por mais de uma centena de exposições, coletivas e individuais. Atualmente é monitor no Centro de Pintores Olhanenses, local em que a autodidata e licenciada em Arquitetura do Design Marisa Patrício contou com o seu apoio e ensinamentos.
Henrique Silva é o autor das esculturas presentes na exposição. Nascido em Querença em 1949, desde cedo apresentou capacidades para as artes plásticas. Com grande fascínio e domínio pela pedra, a sua obra não passa despercebida, contando atualmente com várias exposições, coletivas e individuais, em Portugal, Finlândia, Espanha e Inglaterra.
A exposição estará aberta ao público de terça a sexta feira, entre as 10h e as 12h30 e das 14h às 18h30. Aos sábados, a mostra de trabalhos de Martins Leal, Marisa Patrício e Henrique Silva pode ser visitada das 13h às 18h30.

publicado às 11:27

Sopa Nuvem no Cine-Teatro Loueltano

por Daniel Pina, em 03.03.15
No próximo domingo, 8 de março, pelas 15h30, a Companhia Caótica apresenta «Sopa Nuvem» no Cine-Teatro Louletano. É um espetáculo de família para famílias, com filmes, música e sopa ao vivo, uma espécie de documentário poético ao vivo, uma história verídica onde todos os personagens, objetos e a sopa que é servida aos espectadores no fim são reais.
Um homem conta-nos a sua história: o seu filho lembra-se do avô que morreu e, mais que tudo, da sopa de feijão que ele tão bem fazia. O pai parte então numa viagem, para dentro e fora de si, à procura da misteriosa receita do Avô António. Pela janela da sua sala, transformada em ecrã, o homem faz cinema ao vivo: fala com o seu filho pelo skype, entrevista velhas tias e amigos do seu pai, entra no filme para comprar feijões. Sempre em relação com o ecrã, toca a banda sonora e vai cozinhando a sopa seguindo contraditórias indicações.

publicado às 18:51


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D